O PT do Piauí confirmou que a candidata à Presidência pelo PT, Dilma Rousseff, viajará ao Estado para reforçar a campanha do governador Wilson Martins (PSB). A petista obteve 67,08% dos votos do Estado (1.088.205). Wilson teve 725.563, ou 46,37% dos sufrágios válidos. Já a coordenação de campanha de Sílvio Mendes (PSDB) e José Serra no Piauí informou que há possibilidade do presidenciável tucano retornar ao Estado, onde obteve 339.445 votos, ou 22,09% dos válidos. Silvio recebeu 470.660 votos (30,08%).

Segundo o coordenador de campanha do PSDB, Washington Bonfim, a campanha para o governo e a Presidência no Piauí sempre foi casada. O PSDB se reúne até quinta-feira em Brasília para discutir os próximos passos, a estratégia e o planejamento da segunda fase da eleição.

“Sabemos que ainda será definida a agenda. Os maiores colégios eleitorais terão prioridade e o tempo de campanha é mais corrido. Respeitamos as circunstâncias e as prioridades, mas tem possibilidade do Serra voltar ao Piauí. Ao contrário da Dilma que prometeu e não veio”, disse Washington Bonfim.

O objetivo é buscar os votos nulos, que chegaram a 10,92% do total (197.926 eleitores). A abstenção foi de 19,83%. “Agora serão apenas dois números e haverá menos erros. E estamos conversando com os partidos PTB e PV, demonstrando o nosso interesse nesse apoio. Estamos deixando-os à vontade para esse entendimento”, afirmou o coordenador.

A mesma tática deve ser usada pelo lado adversário. Dilma já se reuniu com o PT e já traça a agenda de visita e busca de apoio dos candidatos derrotados. Ela ligou para o senador João Vicente Claudino (PTB), terceiro colocado nas eleições do Piauí, pedindo apoio para o segundo turno, inclusive para o governador Wilson Martins. O objetivo é remontar a base aliada de sustentação política do governo.

“Estamos conversando num momento de muito diálogo e entendimento. Recebemos lideranças de outros partidos que tinham vontade de nos apoiar e agora estão chegando para apoiar no segundo turno. Estamos conquistando muito apoio do PTB, que era aliado nosso”, revelou o governador, dizendo que já conversou com os deputados eleitos, os não eleitos e outras lideranças que podem declarar apoio.