Os parlamentares do PT e do PPS na Assembleia Legislativa manifestaram solidariedade na sessão desta quarta-feira, 31, às vereadoras Renata Bueno (PPS) e professora Josete (PT). As duas vereadoras estão respondendo a processo no Conselho de Ética na Câmara Municipal de Curitiba. Josete é acusada de quebra de decoro por imprimir panfletos criticando o presidente da Câmara, vereador João Claudio Derosso (PSDB). Já Renata Bueno foi denunciada por nepotismo cruzado.

Os deputados estaduais dos dois partidos acreditam que as duas vereadoras estão sofrendo represálias por defenderem o afastamento do presidente da Câmara, acusado de irregularidades em contratos de publicidade da instituição.

“Estão querendo inverter os fatos na Câmara. As vereadoras que pedem investigação são investigadas. Isso é intimidação”, disse o deputado estadual Tadeu Veneri. O deputado estadual professor Lemos também defendeu a vereadora do PT, destacando que quem deve explicações à sociedade é o presidente da Câmara.

Já a bancada estadual do PPS emitiu nota ressaltando que Renata foi uma das primeiras a assinar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as denúncias.

A bancada dos deputados estaduais do PPS na Assembleia Legislativa do Paraná manifesta apoio incondicional ao posicionamento da vereadora Renata Bueno na Câmara Municipal de Curitiba. Desde que iniciou a onda de denúncias, envolvendo o presidente da Câmara, vereador João Cláudio Derosso, a vereadora pediu transparência e investigações rigorosas, por meio de instalação de uma comissão processante e afastamento do parlamentar.

Ao lado do vereador Zé Maria, Renata também foi uma das primeiras a assinar a Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar o caso. “A vereadora está sendo alvo de ameaças devido à postura combativa que apresenta no parlamento municipal. O PPS não tolera qualquer ato de retaliação”, afirmou o líder do PPS na Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Rangel.