Foto: Allan Costa Pinto

Gleisi Hoffmann: roteiro pelo interior.

A executiva estadual do PT se reúne na próxima segunda-feira, 31, para fazer o primeiro balanço das articulações das candidaturas do partido às eleições municipais deste ano.

Os dirigentes do partido vão mapear onde lançarão candidatos próprios e separar as cidades onde haverá alianças para apoiar outros partidos que terão a cabeça de chapa.

Nos próximos dias, a presidente estadual do partido e pré-candidata à prefeitura de Curitiba, Gleisi Hoffmann, começa um roteiro pelo interior para conhecer de perto as articulações nos municípios. Depois dessa rodada de conversas, Gleisi passa a presidência do partido para a 1.ª vice-presidente, deputada estadual Luciana Rafagnin, e se licencia para cuidar da sua candidatura em Curitiba.

A resolução do diretório nacional estabelece que as alianças prioritárias do partido serão com os aliados mais antigos, o PSB, PCdoB e PDT. A direção nacional veta composições com o DEM e o PSDB, mas admite exceções. Mas esses casos particulares devem ser submetidos ao crivo da direção nacional que, neste momento, já tem o primeiro exemplo: em Belo Horizonte, PT e PSDB fizeram aliança informal para apoiar um candidato do PSB, que é secretário do governador tucano Aécio Neves e amigo pessoal do prefeito petista Fernando Pimentel.