O PTB e o PDT teriam ontem à noite uma conversa definitiva em Brasília para fechar a aliança em torno da candidatura do senador pedetista Alvaro Dias ao governo do Paraná. O principal empecilho ao acordo continuava sendo a coligação na disputa proporcional, que encontra resistência de setores do PDT.

O presidente estadual do PTB, deputado estadual Valdir Rossoni, adiantou ontem em Brasília que a aliança já estava quase acertada, mas que não se descartava uma conversa com o PFL, do deputado federal e pré-candidato ao governo Rafael Greca.

“A aliança só não sai se o PDT não quiser coligar na proporcional. De hoje, sairemos com uma decisão final. Estamos 99,99% fechados com o PDT, mas não descartamos um encontro com o Greca”, disse Rossoni, pouco antes do início da reunião, com o presidente nacional do partido, deputado federal José Carlos Martinez, e com um grupo de lideranças pedetistas, entre eles o presidente estadual da legenda, Nelton Friedrich.

Retribuição

Greca procurou Rossoni com a proposta de retribuir o aval do PTB a sua candidatura com o apoio ao candidato da Frente Trabalhista à Presidência da República, Ciro Gomes (PPS). A expectativa era que, no encontro de ontem, prevalecesse a posição do senador Alvaro Dias de concordar em fazer chapa única com o PTB na disputa proporcional. Resolvido este impasse, acabariam as chances de uma composição entre o PTB e o PFL de Greca.

A próxima etapa das negociações entre PDT e PTB, caso se confirme o acordo na eleição proporcional, é a definição do candidato a vice-governador. A bancada estadual do PTB decidiu apoiar a indicação do deputado Luiz Accorsi para a vaga., seguindo posição defendida por Martinez. Entretanto, Alvaro teria preferência por um pedetista, como o ex-candidato a prefeito de Curitiba na eleição de 2000, o arquiteto Luiz Forte Netto