A vereadora Renata Bueno (PPS) quer tirar o presidente da Câmara dos Vereadores de Curitiba, João Cláudio Derosso (PSDB), do comando da sessão solene prevista para esta noite, em homenagem aos 150 anos da Caixa Econômica Federal. A vereadora alega que seria muito constrangedor para o Legislativo municipal, em decorrência de todas as acusações de favorecimento em licitações para publicidade das quais Derosso é acusado e que beneficiariam a sua mulher, Claudia Queiroz.

Por essa razão, Renata Bueno está sugerindo que o próprio Derosso abra mão da prerrogativa, em sinal de respeito aos demais vereadores e para não expor ainda mais a Câmara Municipal, já bastante abalada pela série de denúncias contra o presidente.

O pedido de Renata Bueno é mais um capítulo no presente escândalo da Câmara Municipal de Curitiba, envolvendo a vereadora e o tucano. Na segunda-feira à noite, o presidente do Legislativo protocolou à Mesa, pedido de informações para saber quantas viagens a vereadora Renata Bueno realizou com as custas pagas pela Câmara Municipal de Curitiba.

Em seu pedido, Derosso queria saber quantas viagens foram em território nacional e quantas foram internacionais, quais os destinos dessas viagens, quais os motivos apresentados para requerer o custeio dessas viagens, quais os valores pagos em passagens, estadia e verba de representação e quantos e os nomes de acompanhantes, com valores pagos pela Câmara
Municipal de Curitiba.

Além disso, ele também pede cópia dos relatórios de viagens apresentados pela vereadora Renata Bueno e de
eventuais acompanhantes.

A vereadora respondeu com ironia: “Eu ainda estou rindo, pois, pela primeira vez, um presidente pede informações à Mesa que ele mesmo comanda. Ou é pura retaliação, ou é ignorância do presidente, já que todas as viagens que fiz representando a Câmara foram autorizadas pela Mesa. E as que não foram pela Câmara, não utilizei um centavo dos recursos da Casa”, disse Renata Bueno, que tem nova viagem marcada para a Itália na próxima semana.