Após quatro meses o governador
passa comando da área a promotor.

O promotor público Luís Fernando Delazari é o novo secretário de Segurança Pública do Paraná. O nome foi anunciado ontem pelo governador Roberto Requião (PMDB) durante o lançamento do programa “Leite das Crianças”, no município de Cândido de Abreu.

Luis Fernando substituirá Requião no cargo e toma posse assim que for liberado pelo Conselho Superior do Ministério Público, composto por nove procuradores de Justiça. O futuro secretário atua na Promotoria de Investigações Criminais e é filho do ouvidor e corregedor-geral do Estado, Luis Carlos Delazari.

Requião ficou quatro meses e meio no comando da área de segurança. Disse que somente delegaria a função a um auxiliar quando terminasse o que chamou de processo de limpeza da polícia. O governador escolheu o novo secretário dois dias depois de ter sancionado as mudanças no Estatuto da Polícia Civil, aprovadas pela Assembléia Legislativa, que inclui representantes do Ministério Público no Conselho da Polícia Civil.

O governador apresentou o secretário como “um homem seríssimo, que realiza um trabalho muito grande contra a corrupção”. Conforme currículo distribuído pelo Palácio Iguaçu, Luís Fernando tem 32 anos, formou-se em direito pela PUC-SP e é mestrando em Direito Constitucional. Em 1993, com 22 anos, ingressou no Ministério Público e trabalhou nas comarcas de Jaguariaíva, Apucarana, Foz do Iguaçu e Curitiba. Na capital, onde está desde 1998, Luiz Fernando trabalhou na Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público. Durante três anos, foi assessor dos procuradores-gerais do Ministério Público Gilberto Giacóia e Marco Antônio Teixeira.

Luís Fernando foi um dos promotores responsáveis pela denúncia feita pelo Ministério Público Estadual contra os envolvidos na operação da compra de R$ 39,6 milhões de créditos irregulares de ICMS da empresa Olvepar pela Copel.

Em defesa da política de desarmamento

Elizabete Castro

O futuro secretário de Segurança Pública, Luís Fernando Delazari, disse ontem que sua nomeação para o cargo representa a extensão do trabalho que já realiza como promotor público. Luís Fernando afirmou que pretende dar continuidade a programas já implantados e defendeu a política de desarmamento anunciada na terça-feira passada pelo governador Roberto Requião (PMDB).

O novo secretário afirmou que o desarmamento deve ser tratado sem hipocrisia. A “Operação Mãos Limpas” consiste, entre outras medidas, no pagamento aos policiais de uma gratificação de R$100 por arma apreendida. O futuro secretário comentou que a medida deve ser vista como um estímulo à produção do policial e que iniciativas para reduzir o número de armas em circulação funcionam somente mediante contrapartidas.

Luís Fernando defendeu ainda a proposta do Ministério Público de expandir a atuação das Promotoria de Investigações Criminais. Ele acha que a criação de promotorias em várias das cidades do Estado é uma forma eficiente de combate à criminalidade.

Sobre a unificação das polícias, o futuro secretário classificou como uma medida “impensável” no momento. Para Luís Fernando, a integração entre as duas polícias – Civil e Militar – e os vários órgãos de segurança é a solução possível para a área. “Este é o caminho”, disse.

O novo secretário defendeu também a valorização da polícia científica. “Sem técnica e ciência, abre-se espaço para confissões sob tortura, o que é odioso e inadmissível”, afirmou.