Foto: Valquir Aureliano/O Estado

Riquelme: "Cumprir os mandamentos constitucionais".

O governador Roberto Requião vai indicar o procurador-geral licenciado Milton Riquelme de Macedo para o cargo de procurador-geral do Ministério Público do Paraná. Na eleição que aconteceu na terça-feira, dia 22, Riquelme de Macedo foi o segundo mais votado da lista tríplice que foi encaminhada ao governador, ficando atrás do procurador Olympio de Sá Sotto Maior Neto. A indicação está sendo encaminhada à Assembléia Legislativa e será submetida à votação em sessão plenária.

"Recebo a indicação como uma demonstração de confiança ao trabalho que está sendo realizado. Vou procurar cumprir os mandamentos constitucionais que balizam o Ministério Público em prol da sociedade", afirma Riquelme de Macedo.

Segundo o procurador-geral, se a AL aprovar sua recondução, ele pretende construir sedes próprias nas comarcas maiores do interior. "Em alguns lugares, os gabinetes instalados nos fóruns não comportam mais a atividade da promotoria, até porque estamos criando áreas especializadas que necessitam de mais espaço", diz. Outra ação de Riquelme de Macedo deverá ser a descentralização da área responsável pela proteção do patrimônio público, a fim de se obter mais eficiência no combate a má gestão dos recursos públicos.

Riquelme de Macedo vê com tranqüilidade o fato de ter ficado em segundo lugar na eleição e ser novamente indicado pelo governador. "É uma possibilidade institucional, prevista em lei, que não cria nenhuma espécie de compromisso. Não há comprometimentos pessoais", afirma.

O presidente da comissão eleitoral, Wanderley Batista de Oliveira, afirmou no dia da eleição que era razoável esperar que o governador nomeasse o candidato mais votado, satisfazendo a vontade da maioria. Mas, ele ressaltou que isso não era absoluto, tendo o governador autonomia para indicar qualquer um dos três.

É a segunda vez que Riquelme de Macedo é indicado pelo governador, sendo o segundo mais votado. Em 2004, quando tomou posse, Riquelme de Macedo concorria com Maria Tereza Uille Gomes, que tentava a reeleição. O governador não gostou da atitude do Ministério Público, que enviou uma lista apenas com dois nomes, e ameaçou devolvê-la. Porém, depois decidiu nomear o segundo colocado.

É a terceira vez que Requião indica o segundo colocado da lista para o cargo de procurador-geral. Conforme o Ministério Público, na sua primeira gestão no governo do Estado, em 1992, Requião também nomeou o segundo lugar, quando escolheu Luiz Carlos Delazari.

Eleição

O resultado da eleição do Ministério Público foi divulgado no mesmo dia em que foi realizada, na terça-feira. Olympio de Sá Sotto Maior Neto ficou com 312 votos, em primeiro lugar da lista tríplice de candidatos ao cargo de procurador-geral. Em segundo ficou Milton Riquelme de Macedo, com 220 votos. E em terceiro lugar, Lineu Walter Kirchner, com 173 votos. Requião poderia escolher qualquer um dos três nomes para encaminhar à AL. Se a AL aprovar a indicação, Riquelme de Macedo assumirá seu segundo mandato como procurador-geral no dia 7 de abril, ficando no cargo até o primeiro quadrimestre de 2008.

Além dos três que compuseram a lista, outros quatro candidatos concorreram: Munir Gazal, Arion Rolim Pereira, Fuad Chafic Abi Faraj e Yedo de Faria Pinto Neto, que tiveram respectivamente 149, 125, 70 e 18 votos. Das 556 pessoas que poderiam participar da eleição, entre procuradores e promotores de Justiça, votaram 534 membros do Ministério Público. Cada um deles podia escolher até três candidatos.