O governador Roberto Requião entregou ontem ao ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, um documento pedindo a ampliação da anistia a cidadãos que foram vítimas de atos arbitrários no regime militar. O pedido refere-se a estudantes do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a mais avançada e respeitada instituição de ensino na época, que sofreram punições severas como expulsão e perda ou postergação de diplomas devido às suas atividades políticas. Thomaz Bastos prometeu examinar o caso e tentar encontrar uma solução.

O ITA foi criado em janeiro de 1950, com a responsabilidade de educar e ensinar profissionais de nível superior da Ciência e Tecnologia e pesquisas no setor, relacionadas com atividades aeroespaciais, como o programa espacial brasileiro, e nas especialidades do Comando da Aeronáutica. O instituto ainda é o responsável por essas atividades no Brasil.

“O governo do Paraná está pedindo que se faça justiça. Essas pessoas, que se formariam em engenharia pelo ITA, hoje estão em outras profissões e alguns até já faleceram. Mas que, ao menos, eles possam receber seus diplomas, pelos quais batalharam e sofreram durante tanto tempo”, afirmou Nizan Pereira, secretário especial para Assuntos Estratégicos.

“A sugestão do governo do Estado é que o Ministério da Justiça proponha à Presidência da República o encaminhamento ao Congresso Nacional de um anteprojeto de lei que aborde essas situações visando a reparação dos danos sofridos”, disse Daniel Godoy, assessor especial do governo, lembrando que esses cidadãos não se encontram beneficiados pela Lei 6.683, de 28 de agosto de 1979.