Foto: Ciciro Back/O Estado

 Requião dividiu palanque com Beto.

Durante a inauguração do Lote 2 do Contorno Norte de Curitiba, ontem, o governador Roberto Requião (PMDB) afirmou que nas eleições para a Prefeitura de Curitiba, em 2004, apoiou o deputado estadual Ângelo Vanhoni para retribuir o apoio que recebeu do PT na eleição de 2002 para o governo do Estado. "O Beto Richa não era o meu candidato. Mas a partir do momento que a população de Curitiba deu seu voto a ele, passou também a ser meu prefeito", disse o governador, que dividiu o palanque com o tucano.

A conclusão do Contorno, que por desavenças políticas se arrastou por quase vinte anos, só foi possível depois que o governo do Estado fez uma parceria com a Prefeitura. "O Beto mostra uma grande vontade de trabalhar em parceria e dessa maneira as ajudas irão se multiplicar". Durante a solenidade, que contou com a presença de diversas autoridades municipais e estaduais, Requião fez questão que o prefeito também assinasse a lei estadual, de autoria do deputado Luís Accorsi (PSDB), que batizou o Contorno Norte de Rodovia Admar Bertolli. O homenageado, falecido em 2003, foi vereador de Curitiba entre 1969 a 1982, sempre representando o bairro de Santa Felicidade.

Segundo Requião, que não quis comentar se os elogios são uma maneira de atrair Beto para seu palanque no próximo ano eleitoral, disse apenas que uma administração moderna e ética precisa ser aberta, que segundo o governador, nunca foi possível entre o ex-governador Jaime Lerner e o ex-prefeito Cássio Tanigushi. Ironicamente ou não, ao fim da solenidade a banda de músicos da região tocou "Amigos para Sempre".

Pedágio

O governador atacou mais uma vez as concessionárias de pedágios no Estado. "Hoje me perguntaram se eu era contra a invasão das praças. Invasão quem faz são essas empresas, que se adonaram de nossas estradas". Para o governador, as invasões são reações justificadas da sociedade. "Isso sempre irá acontecer quando o povo for roubado".

Requião frisou ainda que a inauguração do Contorno Norte prova que é possível para os governos administrarem e conservarem as estradas, mesmo que o trecho, de pouco menos de 9 quilômetros tenha levado quase 20 anos para ficar pronto. "No meu governo gastamos mais de R$ 1 bilhão nas estradas paranaenses. Quando gastam as empresas dos pedágios?".