Arquivo / O Estado

Requião e Lula: conversa sobre a crise.

O governador Roberto Requião (PMDB) vai a Brasília na próxima quarta-feira, dia 6, discutir com os demais governadores do partido a situação política do país. Principal obstáculo a que o PMDB aprovasse, por inteiro, a ampliação da participação do partido no governo, os governadores pretendem formalizar uma posição conjunta sobre o desenrolar da crise política e a divisão do partido, que por meio do seu braço parlamentar – as bancadas na Câmara e Senado – fechou o acordo para aumentar seu espaço no governo.

Além de participar do encontro dos governadores, Requião poderá ter uma audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O Palácio Iguaçu não confirmou, mas interlocutores de Requião ressaltam que Lula, quando fez uma escala forçada no aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, o presidente disse ao deputado Natálio Stica (PT) que chamaria Requião para uma conversa em breve.

O governador tem evitado comentar diretamente a crise política e reduziu o bombardeio à orientação da política econômica do governo Lula. Mas na hora de se posicionar sobre o governo de coalizão proposto pelo presidente da República, Requião alinhou-se ao grupo dos contra, mas novamente citou a política econômica como a principal barreira para apoiar o governo com a ocupação de cargos.

Em solenidade no Palácio Iguaçu, ontem, o governador criticou a posição da bancada que aceitou mais cargos para dar sustentação ao governo. Sob a liderança dos senadores José Sarney e Renan Calheiros, os deputados e senadores peemedebistas estão agora discutindo os novos ministérios que o partido irá ocupar. Para o governador, senadores e deputados estão desrespeitando o encontro do partido realizado no final do ano passado que decidiu pela entrega dos cargos no governo.

Um dos argumentos do governador é que o partido não precisa de cargos para dar sustentação ao governo e considera que, ao aceitar ministérios, o PMDB compromete o projeto de lançamento de candidatura própria à presidência da República no próximo ano.

Sucessão

Hoje, em Curitiba, a ala feminina do PMDB da Região Sul se reúne em Curitiba para um fórum regional do partido.

Prefeitas, vereadoras e lideranças do partido vão discutir, entre outros temas, o lançamento de candidatura própria à presidência da República e a posição dos governadores do partido em não aceitar o governo de coalizão.

As mulheres do PMDB já aprovaram em encontro anterior, realizado em Campo Grande, no mês passado, a saída dos peemedebistas do governo.