As articulações para a eleição da nova Mesa Executiva da Câmara Municipal de Curitiba estão a pleno vapor. Uma cirurgia dentária de emergência acabou impossibilitando algumas conversas que o atual presidente, João Cláudio Derosso (PSDB), teria ontem com a bancada do PPS, que é constituída por quatro vereadores eleitos, mas o encontro foi transferido para segunda-feira.

Também ficou para segunda ou terça-feira a reunião entre Derosso, o prefeito eleito Beto Richa (PSDB), o vereador Ney Leprevost (PP), que também postula a presidência, e o futuro líder do prefeito no Legislativo, vereador Mário Celso Cunha (PSB). Ontem, Leprevost almoçou com o colega Fábio Camargo (PFL), cotado para ocupar a primeira secretaria da Casa na chapa "José Richa", liderada por Derosso.

Segundo o vereador Mário Celso, que coordena a chapa "José Richa", a candidatura do atual presidente à reeleição já conta com 22 assinaturas, quando são necessárias 19 para assegurar a vitória.

União

A meta do atual dirigente da Câmara é unir o maior número de vereadores possível e formar uma bancada forte de apoio ao futuro prefeito. A expectativa em relação à conversa com Leprevost era costurar um acordo para evitar o bate-chapa. Até o último dia 1.º, Derosso reservava a 1.ª vice-presidência em sua chapa para Leprevost, na hipótese de fechar o acordo. Agora o cargo deve ir para o petebista Jair César, restando em aberto para negociação a 2.ª secretaria, que integra a Mesa Executiva. Leprevost não mostra interesse pela 2.ª secretaria. Ele faz questão de deixar claro que pretende levar a disputa até o fim.

Aladim discute equipe

O primeiro vereador eleito pelo PV em Curitiba, com 4.143 votos, o ex-jogador Aladim Luciano, e a direção do partido estão discutindo a composição da equipe que atuará na Câmara Municipal. O processo está sendo um pouco desgastante para os dois lados. Ontem, circulou nos meios políticos a informação de que Aladim teria ameaçado se desfiliar do partido se continuasse sofrendo pressões dos dirigentes partidários para incluir alguns indicados no grupo de futuros funcionários do seu gabinete.

A esposa de Aladin, Elisa Luciano, disse à reportagem que o vereador não pretende deixar o partido e negou que houvesse qualquer divergência com a direção do PV. Segundo Elisa, o vereador e o partido estão em um processo de negociação e que na próxima semana novas reuniões serão realizadas.

O integrante da executiva estadual, Aloisio Nascimento, afirmou que desconhecia a existência de conflitos com Aladim. Ele declarou que não há ingerência dos dirigentes do partido, mas que o vereador tem que seguir o estatuto do PV. Um dos mandamentos previstos no estatuto é que um quinto dos cargos à disposição dos mandatos da sigla devem ser preenchidos por indicação da direção. (Elizabete Castro)