O deputado federal Ricardo Barros (PP), candidato ao Senado pela chapa “Novo Paraná” reafirmou ontem que a rejeição do PSDB a seu nome está superada e disse que eleitoralmente, formar chapa com Gustavo Fruet (PSDB) foi muito positivo para sua candidatura. Em visita à redação do jornal O Estado do Paraná, Barros, que foi recebido pelo ex-governador Paulo Pimentel, disse que com um companheiro de chapa com grande votação na capital, ele pode pegar carona e conseguir importantes votos na região onde menos atuou.

“Melhora muito para mim, porque ele tem uma votação expressiva na capital e como nós, evidentemente, vamos trabalhar com a chapa fechada aqui, eu estando num santinho que tem Beto e tem Gustavo, terei condições de também ser muito bem votado na capital”, disse Barros. O deputado disse que, com a confirmação do irmão de Beto, José Richa Filho, também conhecido como Pepe Richa, como seu suplente, garantiu livre acesso à cúpula do PSDB e à estrutura de campanha de Beto Richa, mas nega que exigiu a Pepe Richa na suplência como garantia de que não seria abandonado pelos tucanos. “Nada disso, já tinha o convidado antes da candidatura do Fruet, quando estava acertado para dividir a chapa com Osmar Dias (PDT). Meus suplentes eu escolhi para dar sinais políticos ao nosso mundo eleitoral. Escolhi suplentes que pudessem me agregar politicamente. Tanto que meu segundo suplente é o Bento Batista, presidente da União dos Vereadores, que está fazendo um trabalho junto aos mais de três mil vereadores do Paraná. São nomes e forças políticos que me asseguram estar competitivo”, disse.

Barros classificou como legítimas as críticas de setores do PSDB à sua indicação como candidato ao Senado. “A reclamação era justa, porque estavam sem espaço na chapa, que tinha duas vagas para o PDT e uma para o PP. Mas estavam reclamando do partido errado, já que o PDT que estava com duas vagas. Mas com a definição das candidaturas e a ocupação, por parte do PSDB dessas duas vagas, essa questão está superada”, disse, referindo-se às candidaturas de Fruet ao Senado e Flávio Arns a vice-governador.

O deputado prometeu que o benefício que terá na capital será retribuído com votos para Gustavo Fruet e Beto Richa no interior do Estado. “Em Maringá, na minha região, onde tenho comando político, vou trabalhar, também, em chapa fechada com o Gustavo. Cada prefeito tem seus compromissos, temos que respeitar, mas eu acho que vamos vencer bem a eleição em nossa região. Vamos dar a contrapartida no interior, pois o PP é muito forte no Oeste, no Sudoeste, em Londrina. Nosso partido está muito presente no interior do Estado e conseguiremos reverter isso em votos para o Beto Richa”, disse.