O governador Beto Richa (PSDB) confirmou, nesta segunda-feira (26), que vai mesmo renunciar ao cargo para se candidatar ao Senado nas eleições de outubro deste ano. Ainda durante pronunciamento realizado na manhã desta segunda, o tucano anunciou que deixa o governo do Estado no próximo dia 6, quando sua vice, Cida Borghetti (PP), assume o mandato. Quando perguntado sobre o por quê de ter escolhido o Senado para disputar, o governador considerou que este é o “caminha natural” para alguém que esteja na sua situação.

Em seu comunicado, Richa ainda deixou claro que só está deixando o cargo para atender a legislação eleitoral, que exige que ele abra mão do mandato pelo menos seis meses antes da eleição para se candidatar ao Senado, mas criticou a lei, dizendo que, em seu entendimento, a desincompatibilização do cargo de governador poderia acontecer até um mês depois, já que as convenções dos partidos foram adiadas para julho.

Antes do anúncio, porém, relembrou um pouco de sua trajetória ao longo dos sete anos de mandato como governador do Paraná, dizendo que o momento mais difícil foi a aprovação do ajuste fiscal, mas que essas “medidas duras e impopulares” resultaram em uma “situação privilegiadíssima para o Paraná no cenário nacional”. “Temos a melhor situação fiscal e a melhor situação financeira do Brasil. Hoje, o Paraná é um canteiro de obras e temos grandes investimentos em todos os municípios do estado, desenvolvimento vigoroso, geração de emprego e renda para os paranaenses. Não me arrepende nem um minuto da decisão de fazer o ajuste fiscal. Hoje, o Brasil inteiro reconhece as decisões e medidas adotadas certeiras e bem sucedidas”, justificou.

Possíveis aliados

Por fim, Richa elogiou a atuação de Cida Borghetti como sua vice e disse que acredita que o Paraná estará em boas mãos com ela à frente do governo. “Nunca tivemos um problema de relacionamento. Sempre com a sua educação, a sua tolerância, a sua capacidade, ela não ajudou apenas na boa relação, mas com boas propostas, que foram incluídas e se tornaram políticas públicas em favor dos paranaenses. Acredito que a Cida tem mão firme para tocar o governo do Estado e, ao mesmo, a sua sensibilidade, que já é característica”, analisou.

No entanto, o governador não deixou claro se vai apoiar a candidatura de Cida ao governo do Estado. Também preferiu não entrar em detalhes a respeito de como fica seu relacionamento com RatinhoJr. (PSD), outro possível aliado em sua campanha ao Senado. “Hoje, o anúncio é apenas administrativo, para dizer que estou me desincompatibilizando do cargo de governador e passando o comando para a Cida. Não estamos falando em campanha eleitoral e coligações ainda, até porque é muito cedo para isso”.