Beto Richa (PSDB) renunciou ao mandato de governador do Paraná no último dia 6 de abril. Desde então, o Palácio Iguaçu é comandado por Cida Borghetti (PP). Mas, apesar de ter trabalhado apenas 20% do mês, o tucano recebeu o salário integral: R$ 33,8 mil. Considerando o pagamento líquido de R$ 24,9 mil, os paranaenses pagaram a Richa quase R$ 20 mil a mais, por um período em que ele não tinha mais nenhum vínculo com o poder público estadual.

Leia também: Preso, Lula evita telejornais e reclama da programação da TV aberta

Por força da legislação eleitoral, Richa foi obrigado a deixar o governo para poder ser candidato a senador em outubro. Por isso, no dia 6 de abril passou o cargo para a vice e, desde então, tem se mantido praticamente recluso, com raras aparições públicas em eventos ao lado de Cida.

Na prática, o tucano foi governador em apenas 6 dos 30 dias do mês passado. Logo, teria direito, proporcionalmente, a 20% da remuneração paga ao governador do estado, que é de R$ 33.763 – teto do funcionalismo no país, equivalente à remuneração dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Ou seja, Richa deveria receber R$ 6.752,60, em valor bruto.

Leia também: Sexta-feira tem promoção do R$ 1 em mercado do Portão e CIC

Considerando os descontos do imposto de renda e da previdência, Richa fez jus a R$ 4.979,46 em abril. No entanto, o Palácio Iguaçu pagou a ele R$ 24.897,28 líquidos, exatamente como ele recebia nos meses anteriores como chefe do Executivo estadual.

No holerite do tucano divulgado pelo Portal da Transparência, ele ainda figura como tendo vínculo ativo na função de governador. Aparece a data de início na função, 1º de janeiro de 2011, mas a data de término segue em branco.

Governo alega falha de processamento

Por meio de nota, a assessoria de imprensa do governo do estado informou que o salário de Richa em abril foi pago incorretamente “em função de uma falha de processamento”. “Todas as providências já foram tomadas para que a questão seja resolvida. Richa foi comunicado do fato e já solicitou providências para que possa fazer o reembolso dos valores creditados indevidamente”, diz o texto.

Foro privilegiado de políticos é restringido após decisão histórica do Supremo