Ao mesmo tempo em que negou sua disposição em assumir um ministério no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o diretor-geral da Usina de Itaipu, Jorge Samek, afirmou que o Paraná pode ampliar seu espaço no primeiro escalão do governo federal com a indicação do senador Osmar Dias (PDT) para ministro da Agricultura. Samek afirmou que o nome do senador paranaense é um dos mais lembrados pela direção nacional do PDT nas conversas com o presidente Lula sobre a participação dos aliados no governo, e que o senador paranaense acompanhou essas discussões, como líder do PDT no Senado.

Samek disse que Osmar é preparado para o cargo e é visto como um dos melhores quadros do PDT para a equipe de Lula. Para o petista, mesmo a posição contrária do senador paranaense ao apoio do PDT ao governo não é um obstáculo à sua participação no governo. ?Partido que quer ser partido tem que ter disciplina. Eu perdi várias votações importantes no PT e me submeti à orientação da maioria. Se o partido inteiro decide, seus membros vão acompanhar a decisão?, comentou.

A rivalidade entre o senador pedetista e o governador Roberto Requião (PMDB), a quem Lula apoiou no segundo turno das eleições, também não atrapalha as negociações para a entrada do pedetista no governo, disse o diretor-geral de Itaipu. ?Tudo pode ser conversado. Nós temos que colocar em primeiro lugar os interesses nacionais. Assim como o fato de o PSDB estar no governo Requião não traz problemas para o governador com o PT, assim também esperamos que haja compreensão da parte dele. Tem secretários do Requião com os quais eu tenho divergências ideológicas e isso não atrapalha nossa relação e nosso apoio ao governo. Nós entendemos que para montar uma equipe o governante precisa dos melhores quadros, de experiência e eficiência?, disse.

Quanto à possibilidade de integrar a equipe de Lula, o diretor-geral da Usina de Itaipu disse que conversou sobre o assunto com o presidente da República e que já expressou sua intenção de permanecer no comando da empresa.