O corpo do senador Romeu Tuma foi enterrado às 15h45 desta quarta-feira, no cemitério São Paulo, na capital paulista. Os familiares do senador fizeram uma homenagem reservada na capela do cemitério e na sequência seguiram para o enterro. “Por uma questão de justiça, meu pai era um dos poucos homens que merecia ser enterrado de pé”, afirmou o ex-secretário Nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr.

Muito emocionado, o ex-deputado federal Robson Tuma também fez uma manifestação pública. “Seu corpo vai, mas sua memória é eterna, pai”, disse. O irmão de Romeu Tuma, Rezcalla Tuma, afirmou que o irmão era um paradigma do que é ser político. “Sempre defendeu São Paulo com galhardia”, disse.

Também esteve presente ao enterro Mônica Serra, mulher do candidato do PSDB a presidente, José Serra. “Tuma foi um dos grandes homens que estão indo embora. Muita gente sente, como está demonstrado aqui”, afirmou Mônica, que esteve no enterro representando Serra.

O cortejo, desde o velório na Assembleia Legislativa até o cemitério São Paulo, foi feito em carro aberto dos bombeiros e interrompeu todo o trânsito na Avenida Brasil. Todas as ruas transversais da avenida foram fechadas por batedores, inclusive as avenidas Nove de Julho e Rebouças. O trecho da rua Cardeal Arcoverde em frente ao cemitério também foi fechado pelos policiais.

O trajeto foi feito em cerca de 15 minutos. Na chegada, oito homens do terceiro Batalhão de Choque da Polícia Militar, conhecido com Batalhão Humaitá, renderam uma homenagem a Tuma com três salvas de tiros. Robson Tuma agradeceu a presença de todos em nome da família. “A família agradece a todos neste momento de dor”, disse. Romeu Tuma foi enterrado sob aplausos dos presentes.