O analista tributário Gilberto Amarante respondeu hoje sobre o relatório que a Corregedoria da Receita Federal emitiu em que afirma que ele teria acessado intencionalmente dos dados do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge. Amarante reafirmou que os dados foram acessados em abril de 2009 e disse que não se lembra o motivo, mas levantou a possibilidade de que estivesse procurando informações sobre uma pessoa com o mesmo nome do tucano. Segundo ele, essa situação passível de acontecer várias vezes por dia.

O analista afirmou que não poderia dar muitos detalhes sobre o caso uma vez que ainda não leu o relatório. “Fiquei sabendo do relatório pela imprensa. Eu não posso dar declarações pelo que foi escrito em poucas linhas na imprensa se o relatório mesmo tem nove páginas”, disse.

“Estão confundindo dados cadastrais com dados fiscais. E não foi violação. Houve acesso. É bom que saibam diferenciar”, afirmou. “Muitos estão usando a palavra violação, mas sabendo que foi um acesso. É bom que a imprensa informe, mas que também não modifique a realidade”, reclamou ele, que é filiado ao PT. Amarante informou que já deu explicações à Receita Federal sobre o caso e agora aguarda ser notificado e receber o relatório do órgão.

Desfiliação

“Você pode perguntar para qualquer pessoa se eu tenho algum envolvimento com o PT. Todas vão falar que não. Será chato ser tirado de um partido, mas minha filiação com ele é zero”, disse. Na tarde de hoje, devido às confirmações pela Receita dos acessos à dados de vice-presidente do PSDB, o PT em Arcos anunciou que vai marcar uma reunião para debater a desfiliação de Amarante.

Sem informar quando ocorrerá essa reunião, o presidente do partido em Arcos, Hideraldo José, afirmou que vai contatar os petistas para o encontro. “Fiquei sabendo agora que o relatório culpa o Gilberto. Então teremos de reunir os integrantes do partido para estudar o caso e fazer a desfiliação dele, já que essa polêmica está prejudicando o PT, sem que o partido esteja envolvido”, disse.