Em assembleia na manhã desse sábado (13), os professores da rede estadual de ensino decidiram pelo término da greve, que começou no dia 25 de junho. Os cerca de dois mil servidores da educação que estiveram presentes colocaram em votação a proposta de reajuste feita pelo governo do Paraná e, apesar de não estarem totalmente satisfeitos, decidiram pelo fim do movimento. O governo afirma que não haverá desconto nos salários pelos dias não trabalhados.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre nossa regiãofutebolentretenimento horóscopo, além de blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

A maioria dos servidores que estavam presentes em frente ao Palácio Iguaçu, onde foi feita a assembleia, decidiu pela volta das atividades nessa segunda-feira (15). No entanto, a categoria seguirá mobilizada em busca de avanços em algumas reivindicações.

Segundo o presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, a greve pode ser considerada como uma vitória. “A maioria compreendeu que foi um movimento vitorioso, pela organização e unidade dos servidores”, destacou.

Os servidores marcaram nova assembleia para o dia 10 de agosto, logo após o retorno dos trabalhos da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) – que retorna do recesso dia 6. A intenção é acompanhar o andamento do projeto de reajuste e, caso necessário, mobilizar a categoria novamente para outra paralisação.

Além da educação

Apesar de ter cerca de 65% do total do funcionalismo público estadual, a área da educação não foi a única a paralisar. Servidores da saúde e representantes das forças policiais e militares, por exemplo, também fizeram parte do movimento.

Seguindo o que foi decidido na assembleia dos professores, as demais categorias também devem encerrar a greve. A expectativa é de que os serviços estaduais sejam todos normalizados já nessa segunda-feira (15).

Entenda porque governo e grevistas estão batendo cabeça