A ex-senadora e ex-candidata à Presidência da República Marina Silva (PV) agiu com naturalidade ao ser informada pela Agência Estado da saída de Antonio Palocci da chefia da Casa Civil, fato confirmado no início da noite de hoje. “A situação estava insustentável. Quando começaram as denúncias, a primeira coisa que eu pensei foi: a Dilma precisa encontrar a Dilma dela”, disse a ex-ministra, numa referência ao fato de a presidente da República, Dilma Rousseff, ter assumido a mesma pasta no governo Lula com a queda do então ministro José Dirceu.

“A presidente assumiu na época a mesma pasta numa situação semelhante e cumpriu um papel junto ao presidente Lula”, afirmou Marina, que foi ministra do Meio Ambiente durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Indagada sobre a ida da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) para o cargo de Palocci, Marina resumiu: “É uma pessoa séria”.

Marina cobrou, no entanto, que as investigações sobre o aumento de patrimônio de Palocci sigam mesmo após a saída do ministro. “A demissão do ministro não deve ser para encerrar o assunto, e, sim, para que seja tratado da forma mais adequada possível pelos órgãos de controle e pela sociedade”, concluiu.