O sócio do ministro Fernando Pimentel na empresa P-21 Consultoria e Projetos, Otílio Prado, deixou hoje o cargo que ocupava na Prefeitura de Belo Horizonte. No pedido de exoneração aceito pelo prefeito Márcio Lacerda (PSB), ele afirma que pretende evitar “constrangimento indevido” à administração municipal. Lacerda teria pressionado Otílio a deixar a função de assessor para tentar blindar sua gestão das denúncias sobre os serviços prestados pela empresa de consultoria. Oficialmente, no entanto, a decisão de deixar o cargo na administração municipal foi do próprio sócio de Pimentel.

Um aliado relata que Otílio se sentiu especialmente atingido quando foi divulgada a informação de que uma empresa de seu filho, Gustavo Prado, seria uma das clientes da P-21 e teria recebido dinheiro da construtora HAP Engenharia, que tem contratos com a prefeitura de Belo Horizonte.

A carta de demissão foi enviada na tarde de hoje a Lacerda, mas a exoneração só deve ser concretizada na sexta-feira, 9, uma vez que é feriado municipal na capital mineira. No texto, Otílio avalia que “inexiste incompatibilidade” entre o cargo exercido na prefeitura e sua participação na P-21. Mesmo assim, ele pede para deixar o cargo.

“Não quero de nenhuma forma criar constrangimento indevido à figura do prefeito (…) e tampouco causar prejuízo à imagem desta administração e também à figura do ministro Fernando Pimentel”, afirma, em um trecho da carta. Otílio alega que tinha participação discreta na sociedade e que “toda a atividade da empresa P-21” era exercida por Pimentel, pois os serviços abrangiam “questões afetas à expertise detida pelo ex-prefeito e atual ministro”. O sócio de Pimentel confirma que contribuiu apenas com o capital da empresa até novembro de 2010, quando passou a ser sócio-gerente da P-21. Nesse momento, no entanto, a empresa já se encontrava inativa, segundo Otílio.