O Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a nomeção de Maurício Requião para o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Paraná nesta quarta-feira (1º).

O relator da ação, ministro Ricardo Lewandowski, negou o pedido de liminar, por entender que o cargo para o qual Eduardo Requião, irmão do governador Roberto Requião, foi eleito é de natureza política. Por isso, não estaria contemplado pela súmula do STF contra o nepotismo.