O juízo da 4.ª Vara Cível de Ponta Grossa suspendeu os direitos políticos do deputado Jocelito Canto (PTB) por três anos. O juiz acatou uma ação civil pública do Ministério Público estadual, que denunciou Canto por uso de recursos públicos para promoção pessoal. O deputado irá recorrer da decisão ao Tribunal de Justiça.

A ação foi ajuizada em 2000 e se refere ao período em que Canto exercia o mandato de prefeito de Ponta Grossa. O ato, considerado irregular pelo MP foi a doação, em 99 pelo então prefeito, de R$ 100 mil à Santa Casa da cidade, que teve uma das suas alas incendiada. O Ministério Público entendeu que Canto usou jornais da cidade e seu programa numa emissora de rádio para divulgar o repasse dos recursos como se fosse resultado de um “ato de generosidade pessoal” e o acusou de improbidade administrativa.

Canto disse que na condição de prefeito, fez o que lhe exigia o cargo. Ele nega que tenha se beneficiado da divulgação da doação e afirma que os recursos foram repassados para a compra de um equipamento de esterilização do hospital.