Brasília – O líder do governo na Câmara dos Deputados, Henrique Fontana (PT – RS), sinalizou nesta segunda-feira (18) que o governo não pretende ceder à oposição cargos da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que vai investigar o uso dos cartões corporativos.

"Vamos adotar um sistema democrático em que o tamanho das bancadas define a ocupação de espaços nas comissões parlamemtares de inquérito, como sempre foi feito no período em que nós éramos oposição e o PSDB, governo", afirmou.

"Estranho muito a postura que o PSDB está adotando, porque quando eles foram governo, todas as CPMIs foram preenchidas dessa mesma forma. Sempre a indicação da relatoria e da presidência foram dos maiores partidos que naquela época eram da base de sustentação do governo", acrescentou.

Fontana deu a declaração após deixar o Palácio do Planalto. O deputado iria participar da reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com líderes do governo na Câmara e no Senado para analisar a situação do Legislativo, como a CPMI.

Mas, segundo Fontana, a reunião foi adiada para quarta-feira (20). "A nossa reunião de análise da situação do Congresso ficou para quarta-feira. Pedimos ao presidente que a cada 15 dias possamos ter uma hora de conversar sobre o ambiente no Congresso".

Participariam da reunião o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e a líder do governo no Congresso, senador Roseana Sarney (PMDB-MA), além do ministro de Relações Institucionais, José Múcio Monteiro.