O ministro Paulo Bernardo reagiu com naturalidade sobre a polêmica da paternidade de obras e investimentos feitos pelos governos federal e estadual no Paraná. "Todos os governadores fazem isto. O governo federal tem que comunicar mais o que está fazendo. De certa forma, a população tem capacidade de diferenciar isto, de saber quem está fazendo o quê. Não podemos radicalizar. Nem dizer que só nós fazemos, nem aceitar que só o governo dizer que fez. O meio-termo é o mais sensato e próximo à realidade", comenta Bernardo.

Bernardo também disse que o governo federal empenhou mais de R$ 82 bilhões em custeios e investimentos em 2005. Foram liquidados R$ 67 bilhões no mesmo período, relacionados a custos e investimentos feitos em 2004 e no ano passado. O pagamento efetivo foi de R$ 73 bilhões e 947 milhões.I

O ministro e o prefeito de Curitiba, Beto Richa, assinaram ontem um convênio para a revitalização e regularização das vilas Audi, União, Savana e Lorena, localizadas no bairro Uberaba. O convênio prevê investimentos de R$ 8,4 milhões em urbanização, aquisição de áreas para relocação de moradores e construção de unidades habitacionais. Deste montante, R$ 3 milhões serão repassados pela Prefeitura; o restante, pelo governo federal.

Segundo Richa, 3,5 mil famílias serão beneficiadas com o convênio para habitação e regularização fundiária. Os trabalhos começam a partir do momento que os recursos estiverem disponibilizados. "Isto demonstra que a questão habitacional deve realmente ser compartilhada entre governo federal e municípios. Isto vai possibilitar oferecer mais dignidade à todas as famílias que habitam praticamente em condições subumanas", afirma.

Nas vilas Savana e Lorena, haverá compra de terrenos para relocação de 315 famílias e a construção de casas dentro de programas habitacionais, com prazo de execução de 18 meses. No bolsão Audi/União, o prazo é de 30 meses para os mesmos trabalhos, que beneficiam 3.145 famílias. No local, ainda será construída uma creche com capacidade para atender 150 crianças.

Dados da Prefeitura indicam que 427 famílias foram relocadas em 2005 pelo município. Cerca de 1,7 mil unidades habitacionais foram construídas ou estão em fase de acabamento. A Prefeitura pretende erguer mais duas mil unidades em 2006.