O deputado Ademar Traiano (PSDB) pediu novas explicações à Copel sobre o pedido de autorização para a construção da Usina de Mauá, no rio Tibagi. A Copel e a Eletrosul formaram o Consórcio Cruzeiro do Sul, responsável pela obra que, apesar de já estar em andamento, ainda não tem o consentimento da Assembleia Legislativa.

O relator anterior da matéria, Reni Pereira (PSB), recomendou a devolução da mensagem ao governo, mas a liderança entrou com recurso contra a decisão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Traiano pediu diligências à Copel para que detalhe a defesa apresentada pela liderança do governo.

De acordo com o recurso protocolado pelo líder do governo, Luiz Claudio Romanelli (PMDB), o artigo 209 da Constituição do Estado do Paraná, que exige autorização para a obra, já foi contemplado quando a Assembleia aprovou a lei 14.896, em 2005, liberando a Copel para formar o Consórcio com a Eletrosul.

“Eu quero que a Copel explique a abrangência da lei. Isso não está colocado com clareza no recuso. Se me convencerem, eu me rendo”, afirmou o deputado tucano que, na semana passada, havia anunciado que daria parecer contrário ao recurso.