O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) investigará suposto uso da máquina pública em favorecimento à candidatura de Weslian Roriz (PSC). O desembargador Mário Machado determinou hoje o recolhimento de material de campanha que estaria sendo distribuído nos postos do programa “Nosso Pão, Nosso Leite”, que fornece alimentos gratuitamente para população da baixa renda.

A denúncia foi apresentada pela coligação “Novo Caminho”, do candidato adversário, Agnelo Queiroz (PT). O petista pediu o recolhimento do material e a cassação do registro de candidatura de Weslian e a cassação do mandato da filha dela, a deputada federal eleita Jaqueline Roriz. De acordo com a denúncia, pessoas estavam distribuindo na chácara “Menino Jesus” santinhos de Jaqueline e Weslian, juntamente com o pão e o leite gratuito.

O posto de distribuição de pão e leite mencionado funciona oficialmente numa chácara próxima ao Paranoá, região administrativa do DF. A chácara é propriedade de uma antiga militante do Roriz chamada Zoe Silva Gonzaga, segundo a campanha petista.

“As referidas fotografias e o vídeo documentam a existência, no local, da propaganda denunciada, bem como a entrega de material impresso de propaganda da candidata Weslian juntamente com a distribuição gratuita do pão e leite”, afirma o desembargador na liminar que autorizou o recolhimento do material por um oficial de Justiça. Ele se baseou em vídeos e fotos anexados à ação pela campanha petista.

Weslian tornou-se candidata ao governo do DF a uma semana do primeiro turno, em substituição ao marido, o ex-governador Joaquim Roriz, barrado pela Lei da Ficha Limpa. Ela é apoiada pelo governador Rogério Rosso, isolado em seu partido, o PMDB, que faz parte da coligação de Agnelo Queiroz. O candidato a vice na chapa petista é Thadeu Filippelli, presidente do PMDB-DF. A uma semana do segundo turno, a campanha de Agnelo apresentou 17 representações contra a campanha adversária. Weslian, em contrapartida, acionou o candidato petista quatro vezes.

O advogado de Weslian, Eládio Carneiro, promete ir ao TRE-DF mais uma vez hoje pedindo a cassação do registro de candidatura de Agnelo por compra de votos. De acordo com o advogado, há provas de que militantes ligados a Agnelo distribuíram lanche durante um comício na última quarta-feira, o que configuraria captação ilícita de sufrágio. A assessoria de imprensa do candidato informou que a distribuição de lanches não partiu da campanha, e sim de uma associação de catadores de lixo.