Acolhendo embargos declaratórios do presidente afastado do diretório municipal do PFL de Foz do Iguaçu, Ítalo Moreira Júnior, o TRE decidiu, em sessão realizada no último dia 17, restabelecer o diretório que havia sido dissolvido pelo diretório nacional do partido, através da resolução de número 320. A decisão permite, desta forma, o registro das candidaturas do próprio Ítalo, de Edson Nunes Prado e de José da Silva Espíndola a vereador.

O embróglio vem se arrastando na Justiça desde o ano passado, quando Moreira teve sua eleição para a presidência do diretório impugnada, acusado de ter contribuido financeiramente para a campanha eleitoral do peemedebista Cláudio Rorato. Após vários recursos, o dirigente afastado conseguiu uma decisão favorável do juiz Marcel Rotoli de Macedo, que concedeu tutela antecipatória suspendendo os efeitos da resolução n.º 320 do diretório nacional. Isto levou o TRE, que já havia declarado ilegítima a convenção realizada pelo diretório municipal sob o comando de Ítalo Moreira, a reconsiderar sua decisão.

A mudança gerou confusão no quadro político da cidade, pois determinou que urnas fossem refeitas e as cédulas eletrônicas recompostas, além da retirada da propaganda da chamada “Frentona”, que une vários partidos contra a candidatura do peemedebista Sâmis da Silva à reeleição para a Prefeitura. O PFL passa a ter também espaço no horário eleitoral gratuito. Reuniões em Foz e em Curitiba buscam uma solução para o problema, que pode estar numa composição. Ela interessa tanto à Frentona quanto à Sâmis da Silva. Ítalo Moreira diz que aguarda “com muita calma”, os resultados das conversas.