O procurador Edilberto de Campos Trovão assumiu ontem o cargo de procurador de Justiça do Ministério Público (MP) Estadual com o objetivo de manter a imagem de protetor da vida em sociedade que o órgão ganhou nos últimos anos. Junto com os procuradores João Gualberto Fonseca Caldas e Luiz Renato Skroch Andretta, Trovão foi empossado ontem pela procuradora-geral de Justiça , Maria Tereza Uille Gomes, em solenidade no Palácio da Justiça.

Os novas vagas foram abertas pela Lei Estadual 13.327 de 21 de novembro de 2001. Ela criou 28 novos cargos de procurador de Justiça e 12 de promotor de Justiça de 2.º grau. Incluindo as nomeações de ontem, sete novos cargos de procurador de Justiça já foram providos. Os demais dependem da disponibilidade de recursos orçamentários do MP.

Trovão, que é natural de Ribeirão Claro, São Paulo, atua há cinco anos como procurador substituto de 2.grau. Ele afirmou ter pretensões a cargos no Conselho Superior e na Corregedoria do MP. “Desde 1985 o MP assumiu novas funções. Antes tínhamos imagem apenas de acusadores. Agora a sociedade já nos reconhece como seus protetores”, disse o novo procurador.

O procurador João Gualberto Fonseca Caldas nasceu em São Paulo, formando-se em Direito em 1976. Há nove anos vinha atuando na área de precatórios criminais na capital. “Assumo como a intenção de manter a continuidade do trabalho da instituição. A autonomia é uma das marcas do MP, que nunca sofreu e nunca vai sofrer qualquer tipo de interferência política”, afirmou, destacando que deve passar a trabalhar não mais na área criminal e sim na área cível.