Foto: Valquir Aureliano/O Estado

Samek: oposição acusa Itaipu de investir em campanha eleitoral.

O corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Humberto Gomes de Barros, determinou à Justiça Eleitoral do Paraná que apure as denúncias feitas pelo deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) sobre os gastos irregulares com publicidade institucional pela estatal Itaipu Binacional, em período vedado pela legislação eleitoral, durante as eleições municipais de 2004.

Diz o corregedor: "…a ocorrência de alegadas irregularidades na utilização de recursos com publicidade institucional pela empresa estatal Itaipu Binacional, que teria realizado, no período vedado pela legislação eleitoral, gastos dessa natureza em desacordo com as prescrições do art. 43, VI,b e VII, da Res.-TSE n.º 21.610/2004, antes do pleito eleitoral em 2004". Para depois finalizar dizendo que "determino o encaminhamento da petição ao Tribunal Regional Eleitoral do Paraná, em razão de competência".

Hauly denunciou ao Tribunal Superior Eleitoral que a Itaipu gastou mais de R$ 10 milhões através das agências de publicidade Ivone Basso, Loducca, JL Comunicação (Brasil) e Biederman Publicidad SA (Paraguai), durante a campanha eleitoral, em 2004. Hauly também detectou que os muitos fornecedores e prestadores de serviços atuavam nas campanhas eleitorais de Samek a deputado federal em 2002 e do candidato petista à prefeitura de Curitiba Ângelo Vanhoni, em 2004, inclusive como doadores de campanha.