O vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, afirmou que há suspeitas sobre dois acessos não autorizados aos seus dados bancários no Banco do Brasil (BB). As informações teriam sido abertas em Brasília e na região metropolitana do Rio de Janeiro. Os acessos suspeitos já foram enviados pela instituição à Polícia Federal (PF), que investiga a violação do sigilo fiscal de Eduardo Jorge, quatro tucanos e de Verônica Serra, filha do candidato do PSDB à Presidência, José Serra.

Os dados bancários do vice-presidente do PSDB teriam ido parar num suposto dossiê que passou pelas mãos dos integrantes da campanha de Dilma Rousseff (PT). A PF então pediu ao BB que informasse os acessos às contas bancárias de Eduardo Jorge.

Ao analisar o resultado, o tucano afirmou que não reconhece duas consultas, realizadas em março deste ano, e pediu que a PF apure o caso. Inicialmente, o BB alegou à polícia que os servidores envolvidos nesses acessos deram justificativas funcionais, mas o episódio ainda será apurado.