O governador eleito do Paraná, Beto Richa (PSDB) promove hoje, no restaurante Madalosso, em Curitiba, seu primeiro ato pró-Serra na campanha de segundo turno das eleições presidenciais. Beto espera reunir 3 mil pessoas, entre prefeitos, deputados, vereadores e lideranças políticas do Estado num almoço para “lançar” a campanha de segundo turno do presidenciável tucano no Sul do País.

Lideranças nacionais da coordenação da campanha de Serra confirmaram participação no evento em Curitiba: o presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), o presidente do DEM, o deputado federal Rodrigo Maia (RJ), e o presidente do PPS, deputado federal eleito Roberto Freire (SP). No encontro, será traçada a estratégia de segundo turno da campanha tucana no Sul do Brasil.

Agência Senado
Sérgio Guerra: campanha de Serra.

“A melhor ferramenta que o PSDB do Paraná pode oferecer para a campanha do Serra é o governador eleito. O Beto vai percorrer todas as regiões do Estado, e até, sair do Paraná, para levar a mensagem do Serra e a importância de elegermos nosso candidato a presidente”, disse o presidente estadual do PSDB, deputado estadual Valdir Rossoni. “Essas reuniões estão ocorrendo em todos os estados. São suprapartidárias. Todos os interessados em ajudar na campanha do Serra, independente se filiados ou simpatizantes do PSDB, ou não, estão convidados”, afirmou o deputado.

Criticado por ter deixado a campanha presidencial em um segundo plano para dedicar-se à sua eleição para o governo do Paraná, principalmente na reta final do primeiro turno, Beto prometeu, assim que eleito, dedicar-se “de corpo e alma” à campanha de José Serra.

“Minha vitória não estará completa sem a vitória de José Serra para a Presidência”, afirmou o governador eleito na reunião do partido semana passada, em Brasília. “No confronto direto, nas propostas, na experiência, o Serra leva vantagem. Chegou a hora da onda verde e amarela, agora é o momento de eleger Serra presidente”, declarou.

Além de colocar Beto Richa nas ruas, o PSDB do Paraná aposta no confronto de currículos para tentar aumentar a diferença que Serra conseguiu impor sobre Dilma Rousseff (PT) no Estado, no primeiro turno das eleições. “Além disso, vamos destacar, também, que, se o Brasil vive hoje um bom momento, deve grande parte disso ao trabalho iniciado pelo governo do PSDB (do qual Serra foi ministro)”, disse Rossoni, que defendeu a exploração de temas como o aborto.

“Todos os temas que serão regulamentados por lei devem ser debatidos. Não foi o PSDB que colocou esse tema em pauta. Foi levantado por padres e pastores e explorado por quem soube utilizar o recurso da internet”, disse o tucano. O candidato José Serra tem visita marcada ao Paraná para amanhã, quando faz campanha em Londrina, ao lado de Beto e de outras lideranças do Estado.