Um público estimado de 80 mil pessoas – segundo o comitê de campanha – foi prestigiar o comício de Angelo Vanhoni (PT) no Centro Cívico, comandado pela dupla Zezé di Camargo e Luciano. Acompanhados do governador Roberto Requião e do senador Flávio Arns (PT), Vanhoni e seu candidato a vice, Nizan Pereira, falaram ao público que tomou conta da Praça Nossa Senhora da Salete.

O candidato da coligação Tá na Hora, Curitiba! disse que a cidade precisa de uma mudança imediata na forma de ser administrada. Como disse Vanhoni, o próximo prefeito deve governar conforme os interesses da maioria. “Quero mudança para que a cidade se preocupe com as pessoas, com os jovens, com as mulheres, com os mais velhos. Para que a cidade possa diminuir o fosso entre os ricos e pobres. Vou governar de acordo com os interesses da maioria, quero fazer as transformações que os bairros precisam”, afirmou.

Mudanças

Segundo vanhoni, as mudanças são necessárias porque viver em Curitiba já não é como antigamente. Ele citou um exemplo para justificar que a cidade atravessa um momento difícil. “É inadmissível que homens e mulheres tenham de estar às 5 horas da manhã em filas para conseguir uma consulta no posto de saúde”, disse, para depois mencionar dois pontos que serão prioridades absolutas da sua gestão.

Professor da rede pública de ensino e tendo como vice o secretário municipal de Saúde, responsável pela construção de 31 postos na gestão do prefeito Roberto Requião (1986-89), Vanhoni disse que a saúde e a educação serão duas bandeiras da prefeitura a partir de janeiro de 2005.

“Não vou permitir que a assistência à saúde permaneça na situação em que se encontra”, afirmou. Sobre a educação, Vanhoni reforçou sua convicção de que o acesso ao conhecimento é a principal forma de atender a juventude que não ganhou sequer novos espaços de produção cultural nos bairros durante os últimos 16 anos. “É meu compromisso a educação pública gratuita e de qualidade”, completou.

Professor de Medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Nizan, ministrou uma espécie de aula cívica na festa da arrancada. Nizan lembrou que faltam poucos dias para que a cidade escolha o administrador que comandará os rumos de Curitiba durante os próximos quatro anos. Portanto, pediu a atenção do público e observou que os eleitores têm dois rumos a tomar nesta eleição.

“De um lado está o PSDB, que aumentou o desemprego e entregou o País às multinacionais, Jaime Lerner, que tentou vender a Copel, Cassio Taniguchi e seu vice Beto Richa. Do outro está o presidente Lula, que devolve o Brasil ao rumo certo, o governador Requião, que restabelece a moral na administração pública, e nós. São estas as opções desta eleição”, disse Nizan.

Para Requião, a festa marcou “a noite definitiva da mudança em Curitiba”. No entanto, assinalou o governador, é preciso saber quem está com quem nesta disputa. “Por muitos e muitos anos, um mesmo grupo mandou na Prefeitura de Curitiba. E nos últimos anos a Prefeitura esteve nas mãos de Cassio Taniguchi e Beto Richa, que foi secretário de Obras. Já o vice de Beto Richa, Luciano Ducci, foi secretário da Saúde de Cassio”, disse. E completou. “Agora apareçam sorridentes como quem não tem nada a ver com esta administração”, observou Requião, para quem Curitiba não pode esquecer escândalos como o abuso do poder econômico nas eleições de 2000. “Não é o Cassio nem o Beto quem soma. Quem soma é Angelo Vanhoni, meu amigo, meu irmão”, disse.