Com um patrimônio de R$ 149 mil, a candidata do Partido Verde (PV), Marina Silva, pediu ontem o registro de sua candidatura à Presidência ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Seu vice, o empresário Guilherme Leal, sócio da Natura, tem patrimônio aproximadamente 7,3 mil vezes maior – sua fortuna é estimada em R$ 1,1 bilhão.

Em sua declaração de bens, Marina informou possuir uma casa em Rio Branco (AC), no valor de R$ 60 mil, lotes que somam R$ 42.481,50 e um saldo de R$ 46.782,88 em conta bancária. O partido apresentou certidões criminais apontando que ela não sofreu nenhuma condenação na Justiça. A candidata apresentou estimativa de R$ 90 milhões para o total de gastos de sua campanha à Presidência.

Agendas

A campanha de Marina adotou uma nova estratégia: dissociar as agendas da candidata e de seu vice. A ideia é remediar a escassez de palanques nos Estados – são apenas 11 candidatos a governador pelo PV. Leal deve frequentar, sobretudo, encontros com empresários ligados à causa ambiental. Marina vai priorizar os eventos com grandes públicos.

“Não se trata de dividir a agenda. Trata-se de termos uma demanda muito grande e tentar atender ao máximo possível”, pondera João Paulo Capobianco, coordenador da campanha. “Nós temos um vice capacitado, com luz própria, que não precisamos esconder, ao contrário dos outros candidatos.”