Equívoco em uma portaria do Governo Federal que dispõe sobre a criação de quatro unidades de conservação federais no Paraná pode provocar uma crise na agropecuária e economias regionais, inviabilizando a produção de soja, milho, feijão, cana-de-açúcar e até mesmo florestamentos de pinus e eucaliptos em nada menos do que 16 municípios.

Assim, as áreas com impedimento de cultivo de produções e atividades consideradas exóticas – que envolvem atividades agro-pastoris – acabaram sendo estendidas para os municípios vizinhos de Tapejara, Cianorte, Araruna, Cantagalo, Goioxim, Prudentópolis, Turvo, Irati, Inácio Martins, Bituruna, Coronel Domingos Soares e General Carneiro, podendo influenciar gravemente as economias locais. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)