O professor Nicholas Negroponte, co-fundador do Media Lab, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), tem uma questão política importante para resolver, nos seus planos de trazer o laptop de US$ 100 para o Brasil. Ontem, a Intel, maior fabricante de semicondutores no mundo, anunciou que duas empresas brasileiras – a Positivo Informática e a CCE – vão fabricar o Classmate PC, laptop educacional de baixo custo que foi criado para concorrer com o computador do professor Negroponte. Para fabricar o laptop de US$ 100, foi contratada a empresa Quanta, de Taiwan.

"A fabricação local faz parte da negociação", afirmou José Luiz Aquino, assessor especial da Presidência da República, que participou ontem de evento da Intel em São Paulo. Segundo Aquino durante 2007 o governo vai testar os laptops da Intel, do professor Negroponte e uma terceira opção, chamada Mobilis, da empresa indiana Encore, para saber se dar laptops para estudantes funciona. "No nosso projeto, só aceitaremos software livre", afirmou Aquino, referindo-se a programas como o sistema Linux, que pode ser modificado, usado e copiado sem pagamento de licenças.

Ao se associar a fabricantes locais, a Intel torna o programa de Negroponte, chamado Um Laptop por Criança (OLPC, na sigla em inglês), mais vulnerável à crítica que ele seria prejudicial à indústria local. O projeto de Negroponte tem como objetivo levar laptops de baixo custo para estudantes de países em desenvolvimento. As máquinas seriam compradas em lotes de pelo menos 1 milhão, produzidas em Taiwan.

Há duas semanas, Negroponte visitou o Brasil e entregou um XO, como é chamado seu computador, ao presidente Lula. Ele afirmou que não seria interessante para o Brasil fabricar o laptop, pois a atividade geraria pouco emprego e aumentaria o preço do produto. O mercado brasileiro não chega a 1 milhão de laptops por ano.

Em preço, o XO leva vantagem sobre a alternativa da Intel. Apesar de ser chamado de laptop de US$ 100, deve custar, em seu lançamento, previsto para junho de 2007, cerca de US$ 150. O computador portátil da Intel custará cerca de US$ 400 e deverá ser lançado no primeiro trimestre de 2007. Conforme vai chegando a data do lançamento, os preços vão aumentando. O XO passou de US$ 100 para US$ 150 e o Classmate de US$ 250 para US$ 400. A princípio, os dois laptops serão oferecidos somente para o mercado educacional.

"Com o tempo, o custo do equipamento cairá", afirmou John Davies vice-presidente mundial da Intel. "Não estamos comparando maçãs com maçãs. A máquina do Negroponte pode custar US$ 150 em Taiwan." Ele acrescentou que existem custos de transporte e impostos que não estão sendo levados em conta.

Realmente, os custos estão caindo. Já há laptops no varejo com preço abaixo de US$ 1 mil. As lojas também já oferecem computadores de mesa com preço próximo dos US$ 400 que vai custar o Classmate. Dependendo do tempo que o governo levar nos testes dos laptops, pode acontecer de os computadores portáteis, nas lojas, passarem a custar US$ 400. Ou até US$ 150.