Nove postos de fiscalização vão monitorar a partir deste ano toda a área de fronteira entre o Brasil com a Bolívia, calculada em 3,4 mil quilômetros de extensão. O primeiro posto, no município de Costa Marques, em Rondônia, será inaugurado hoje (17) pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

A fronteira entre Brasil e Bolívia é muito utilizada para o contrabando de madeira extraída ilegalmente da floresta amazônica e da pesca ilegal. Por meio dos postos, agentes da Polícia Federal poderão prender os criminosos antes que eles saiam do território brasileiro e até mesmo impedir as práticas ilegais.

"Como temos que respeitar o território boliviano, o pessoal se vale disso. Quando há fiscalização, eles atravessam o rio para o lado da Bolívia, onde já não podemos atuar", explica o chefe interino do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Nébio Casara.

Cada um dos nove postos de fronteira vai contar com profissionais da Receita Federal, órgãos de Vigilância Sanitária e do Meio Ambiente. As atividades serão coordenadas pela Polícia Federal, que terá 54 agentes nas unidades.