Brasília – Uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira (31) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que, entre junho de 2005 e julho deste ano, os preços dos agrotóxicos no mercado brasileiro caíram 21,2%.

Nos sete primeiros meses de 2006, as cotações desses produtos recuaram 7,8%. A redução mais significativa foi a dos fungicidas (23,8%), seguida dos inseticidas (20,4%) e dos herbicidas (20,2%).

Segundo o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Defesa Agrícola (Sindag), a queda é reflexo da baixa demanda pelos insumos (sementes, agrotóxicos, máquinas, implementos e serviços) no período.

Nos primeiros seis meses do ano, a comercialização de agrotóxicos caiu 34% quando comparada ao mesmo período de 2005. O setor teve uma queda 13% no faturamento: enquanto no primeiro semestre de 2005 faturou US$ 4 bilhões, esse valor não passou de US$ 3,5 bilhões neste ano.

O diretor de Logística da Conab, Silvio Porto, afirma que, apesar da queda, a produtividade das lavouras não deve diminuir. Segundo ele, com a economia nos agrotóxicos, os agricultores deverão investir mais em tecnologia e métodos preventivos contras pragas.

Ainda assim, os agrotóxicos podem ser responsáveis por mais de 25% dos custos de produção de uma lavoura. De acordo com a Conab, na região Centro-Sul, eles representam cerca de 25,4% dos custos para o algodão; 10,4% para o arroz; 10,9% para o milho; 19,2% para a soja; e 15,7% para o trigo.

O presidente da Conab, Jacinto Ferreira, acrescenta que, além dos agrotóxicos, os fertilizantes e os encargos financeiros são os principais componentes dos custos da produção agropecuária.

Na avaliação dele, ao acompanhar o comportamento dos preços, da demanda por agrotóxicos e de outras variáveis que interferem nos custo da agricultura, ficará mais fácil para os agricultores negociarem os com os fornecedores.

?O detalhamento desses custos é passado a associações e aos produtores. Então, eles podem negociar os melhores preços com as indústrias que vendem esse tipo de material?.

O levantamento da Conab constatou, ainda, que a comercialização de agrotóxicos para a próxima safra está atrasada. O atual cenário indica uma redução na aplicação de agrotóxicos neste ano. A expectativa é que as medidas de apoio do governo federal à agricultura restabeleçam os níveis de vendas a partir do início da próxima safra.