Os preços agrícola ampliaram o ritmo de queda na segunda quadrissemana de setembro, com variação negativa de 3,59% e perda de 1,82 ponto percentual em relação à quadrissemana anterior. Os dados são do levantamento quadrissemanal realizado pelo pesquisador Nelson Batista Martin, do Instituto de Economia Agrícola (IEA).

Segundo Martin, "o índice de preços recebidos pelos agricultores (IPR) manteve a tendência baixista em razão do recuo dos preços dos produtos de origem vegetal e animal e das commodities, bem como da intensificação da valorização do real".

Dos 19 produtos analisados no levantamento, apenas quatro apresentaram alta de preços (arroz, banana, aves e suínos) e 14 tiveram reduções (algodão, amendoim, batata, café, cebola, feijão, laranja, milho, soja, trigo, tomate, boi, leite e ovos). O preço da cana-de-açúcar se manteve estável. O destaque de alta foi o preço do arroz (+11,11%) e a queda mais expressiva ocorreu na cotação dos ovos (-22,06%).

Martín observa que os preços do boi continuam em queda em plena entressafra, mesmo com o crescimento nas exportações da ordem de 32%. "Isso ocorre em função do aumento de oferta associado ao elevado descarte de novilhas e matrizes, gerando enorme excedente de carne bovina no mercado."

Na análise por grupo, ele afirma que entre os produtos de origem vegetal, a redução no preço de todos os subgrupos levou à queda de 3,66% no preço desse grupo. No segmento animal, o recuo nas cotações de boi, leite e ovos fez com que o preço do grupo despencasse 3,46%. O resultado foi a queda de 3,59% no índice geral (IPR).