Os preços agrícolas caíram 1,80% na terceira quadrissemana de setembro, mas tiveram recuperação de 1,79 ponto percentual em relação à quadrissemana anterior, quando a queda foi de 3,59%. Os dados foram divulgados, nesta segunda-feira, pelo pesquisador Nelson Batista Martin, do Instituto de Economia Agrícola (IEA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo.

Segundo Martin, "o índice de preços recebidos pelos agricultores (IPR) manteve a tendência baixista em razão do recuo dos preços dos produtos de origem vegetal e principalmente animal, bem como da intensificação da valorização do real".

Dos 19 produtos analisados no levantamento, seis apresentaram crescimento no preço (arroz, banana, cebola, tomate aves e suínos) e outros dez tiveram reduções (amendoim, batata, café, feijão, milho, soja, trigo, boi, leite e ovos). Os preços do algodão, cana-de-açúcar e laranja se mantiveram estáveis. O destaque de alta foi o preço da cebola (+20,00%) e a queda mais expressiva ocorreu na cotação dos ovos (-16,13%).

Entre os produtos de origem vegetal, a redução no preço do subgrupo dos grãos, mesmo com a alta das frutas e das olerícolas, levou à queda de 1,11% no preço do grupo. No segmento animal, o recuo nas cotações de boi, leite e ovos fez com que o preço do grupo caísse 3,04%. O resultado foi a queda de 1,80% no índice geral (IPR).