O Índice de Preços do Comércio Varejista Amplo (IPCV-Amplo) registrou deflação de 0,79% em março no município do Rio de Janeiro, acusando sua maior queda desde o início da série, em junho de 2002. Em fevereiro deste ano, o índice tinha apresentado alta de 0,09% e, em janeiro, queda de 0,01%. Com o resultado de março, o IPCV-Amplo acumula queda de 0,70% nos três primeiros meses de 2004.

Os dados foram divulgados pelo Instituto Fecomércio-RJ, que coleta mensalmente 37.840 preços de 1.892 produtos, em 720 pontos comerciais. A população alvo é integrada por famílias com renda mensal de até 40 salários mínimos.

A boa safra foi fundamental para a deflação recorde verificada em março, na avaliação do diretor do Instituto Fecomércio-RJ, Luiz Roberto Cunha. Para quem ?também a retração da renda do trabalhador e a conseqüente diminuição do poder de compra contribuiu para a variação negativa recorde? do IPCV-Amplo, em março.

A maior queda de preços, em março, foi registrada no grupo Manutenção Predial, com produtos 1,78% mais em conta, contra alta de 0,38% de fevereiro. O comportamento do grupo foi influenciado pelas quedas nos preços de esponja de limpeza (?8,72%), do amaciante e alvejante (?4,45%) e sabão em pó (?3,69%).

Os outros grupos que apresentaram variações negativas foram Saúde e Higiene Pessoal, com redução de 1,60%, contra alta de 1,03% em fevereiro; Alimentação, com deflação de 1,57% frente à taxa de ?0,65% verificada no mês anterior; e Artigos de Residência, com ?0,22%, o que representou aceleração em relação ao resultado de ?0,97% da pesquisa de fevereiro.