Os preços ao consumidor nos Armazéns da Família e Mercadão Popular estão, em média, 30% mais baratos do que os praticados pelo mercado. A pesquisa foi feita na semana passada pelo serviço Disque-Economia da Prefeitura, incluindo 160 itens de alimentação e de higiene e limpeza vendidos nas 20 lojas dos Armazéns da Família e pontos do Mercadão Polular. Foram comparados marcas, embalagens e medidas.

Os pesquisadores levantaram preços em 18 mercados de bairro próximos aos pontos dos Mercadões e Armazéns da Família. No preço médio dos produtos da lista pesquisada, o valor economizado chega a R$ 108,00, e no preço máximo a R$ 176,00.

Em alguns produtos, a pesquisa constatou diferença de 50%. O salsichão de 500 gramas, da marca Batavo, vendido por R$ 2,21 nos Armazéns da Família foi encontrado em alguns supermercados pesquisados a R$ 5,33.

"O mais interessante da pesquisa foi constatar que há um ano conseguimos manter os preços da Rede Social de Abastecimento do município no mesmo patamar", declarou a diretora de Análise Econômica da Secretaria Municipal do Abastecimento, Vera Zardo.

Os programas do Armazém da Família e Mercadão Popular são direcionados a famílias com renda mínima de até três salários mínimos, cadastradas na Prefeitura. Atualmente os programas registram 80 mil atendimentos por mês.

"Nosso objetivo não é concorrer com o comércio convencional, mas sim proporcionar a famílias de baixa renda o acesso a uma alimentação básica de boa qualidade. Economizando nos itens de mercado, sobra mais fôlego para que essas famílias apliquem a sobra do dinheiro em outros produtos necessários, como vestuário e remédios, por exemplo", explica Vera.

Depois de implantar um novo modelo de gestão pública, que resgatou a qualidade dos produtos e promoveu a queda de preços, a Prefeitura estuda medidas para melhorar o atendimento aos usuários e o trabalho para os funcionários. "Vamos reformar, ampliar e equipar as lojas dos Armazéns", diz a diretora. "Também existe proposta para construção de mais alguns pontos", completa.