A Polícia Civil (PC) divulgou nesta terça-feira (31) que as investigações, apontando que prefeito eleito de Piên, Loir Dreveck (PMDB), assassinado em dezembro, foi vítima de um complô, armado pelo seu antecessor no cargo, Gilberto Dranka (PSD), e o presidente da Câmara de Vereadores do município da Região Metropolitana de Curitiba, Leonides Maahs (PR). Além dos dois, estão presos Ovandir Pedrini, 44 anos, e Amilton Padilha, 29, ambos acusados de participar diretamente do crime.

Dreveck foi alvo de tiros enquanto viajava para Santa Catarina com a família, em 14 de dezembro, e morreu três dias depois. De acordo com o secretário de segurança, Wagner Mesquita,  outro homem foi assassinado no mesmo dia, por estar em um carro parecido com o de Dreveck.

Dranka foi preso nesta terça pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), em um mandado de prisão temporária, válidos por 30 dias. Ele tentou se esconder no forro da mansão, mas foi capturado mesmo assim. Maahs era alvo de um mandado de condução coercitiva (quando a pessoa é levada a depor, se necessário com uso de força), mas foi preso por posse de munição de uso restrito.

Complô

Segundo a Polícia Civil, os dois políticos articularam a morte do prefeito eleito após ele anunciar que iria cortar cargos comissionados, substituindo-os por funcionários de carreira da prefeitura de Piên. Ambos teriam se sentido traídos, pois investiram na eleição de Dreveck.

A polícia afirmou que Maahs chegou a doar R$ 40 mil para campanha do prefeito eleito no ano passado. O grupo político contava com indicações de cargos comissionados e de secretários para ser beneficiado em contratos do município.

De acordo com o delegado Rodrigo Brown, logo após o crime, a polícia localizou a moto e o capacete usados pelo assassino em um barranco na região. No acessório de proteção, peritos do Instituto de Identificação localizaram impressões digitais do atirador. Pertenciam a Hamilton Padilha, que atualmente estava detido em Itajaí (SC) pelo crime de roubo.

Ele já tinha passagem pela polícia por outro homicídio e teria recebido um veículo modelo Gol e R$ 10 mil em espécie pela morte do prefeito eleito de Piên. A polícia contou que ele teria trabalhado com Ovandir Pedrini.

“O histórico da moto também mostrou um caminho para investigação”, disse Oliveira. O veículo tinha passado por oito pessoas. A polícia descobriu que o último dono era Pedrini, que havia repassado o veículo a Padilha. Eles buscaram a motocicleta em São Bento do Sul (SC).

Escutas foram peças-chave

Foto: Jonathan Campos
Foto: Jonathan Campos

Pedrini foi detido em Piên durante a operação de ontem por força do mandado de prisão temporária. Ele é dono de uma oficina e prestava serviço para a empresa de Dranka na região. Durante a manhã desta terça, ele confessou sua participação no crime e deu detalhes à polícia de cada passo do esquema que culminou na morte Dreveck.

Na confissão, Pedrini disse que seria beneficiado futuramente com contratos sem licitação, assim que o grupo de Dranka conseguisse reassumir a prefeitura de Piên. O vice-prefeito de Dreveck, que assumiu após o assassinato do prefeito eleito, está doente. A polícia acredita que os suspeitos contavam com uma licença de saúde dele para que Maahs, como presidente da Câmara, assumisse a prefeitura. Após identificação da digital, os investigadores também solicitaram à Justiça a quebra do sigilo telefônico dos suspeitos.

Além de mencionarem fatos do esquema por telefone, as escutas foram fundamentais para colocar Dranka no contexto do crime. Ele ligou várias vezes antes do assassinato para Pedrini. Segundo a polícia, o papel de Dranka foi avisar o momento que Dreveck saia com a família para a viagem a Santa Catarina. A suspeita da polícia, de que o próprio presidente da Câmara ajudou na fuga do atirador, foi confirmada na confissão de Pedrini.

Defesa nega acusações

O advogado de defesa de Gilberto Dranka, Claudinei Szymczak, afirmou que o ex-prefeito ainda não sabia o motivo de sua prisão e que tentava entender o que estava acontecendo. O defensor explicou que nunca houve desentendimento entre prefeito eleito e Dranka. De acordo com o advogado, os dois haviam construído uma campanha juntos. Estavam sem problemas de relacionamento.

“A relação era sempre essa, de aperto de mão. Nunca houve desentendimento narrado pelo Dranka. Estavam felizes pela eleição”, comentou. Segundo o advogado, durante a operação policial, seu cliente achou que ladrões estavam invadindo a residência. Por isso, tentou fugir.

“Ele teve a primeira reação de entrar no forro. Quando a polícia chega, muito intensa, gritando. Não entendia se era ladrão ou não”, afirmou. Até ontem, a reportagem não localizou as defesas dos outros suspeitos.