O prefeito em exercício de Maringá, João Ivo Caleffi, vai enviar, nesta terça-feira, dia 10, para a Câmara Municipal, a mensagem de lei sobre o reajuste do IPTU e taxas para 2003, prevendo uma reposição de 10% sobre os valores atuais.

O índice foi discutido e acordado, nesta segunda-feira, dia 9, na prefeitura, durante mais uma reunião entre integrantes da administração municipal e alguns vereadores para discutir o assunto.

Participaram do encontro, além do prefeito, o secretário municipal de Fazenda, Ênio Verri; o chefe de gabinete, Reginaldo Dias; o secretário de Governo, Sílvio Januário; procurador jurídico, Alaércio Cardoso; o secretário municipal de Desenvolvimento Urbano, Planejamento e Habitação, Ronaldo Ramos; e os vereadores Beto Brescansin, Walter Viana, Edith Dias, Marly Silva, Joba, Manoel Sobrinho e Edmar Arruda.

O assunto agora será discutido em plenário, na Câmara, e precisa ser aprovado ainda neste ano, para que possa vigorar em 2003. Repassando 10%, a prefeitura deixa de cobrar, do contribuinte, a correção total da inflação do ano, cujas projeções apontam para o índice de cerca de 22%.

Devido ao recadastramento feito no ano passado, os imóveis que estavam em situação irregular terão o imposto cobrado corretamente em 2003. Isso significa que mais de 40 mil imóveis terão a cobrança de novos valores, já que o recadastramento apontou que mais de 50% dos 77 mil imóveis cadastrados no município estavam irregulares.

A Prefeitura de Maringá deve arrecadar, neste ano, cerca de R$ 17 milhões. A previsão para 2003, levando em conta a cobrança correta para os imóveis recadastrados e o não repasse integral da inflação, deverá ser de aproximadamente R$ 21,5 milhões.