A Prefeitura de Curitiba e a Associação Comercial do Paraná (ACP) voltaram a discutir ações para revitalização do centro da cidade, no II Seminário Habitacional, realizado na última quinta-feira (10). A parceria entre o município e a iniciativa privada foi destacada pelo presidente da Companhia de Desenvolvimento de Curitiba (Curitiba S.A.), Juraci Barbosa Sobrinho, que representou o prefeito Beto Richa na abertura do encontro.

"Com ações do Centro Vivo e do programa Marco Zero, desenvolvido pelo município, conseguiremos melhorar as condições da região central e fazer com que os curitibanos voltem a freqüentar o local, favorecendo assim o comércio e promovendo o desenvolvimento econômico da cidade", disse o presidente da Curitiba S.A..

O seminário, realizado no Centro de Convenções de Curitiba, faz parte do programa Centro Vivo, que prevê a revitalização do centro da cidade O jornalista Gilberto Dimenstein fez palestra sobre "A degradação dos grandes centros e o envolvimento da comunidade no processo de revitalização". Dimenstein, do jornal Folha de São Paulo e rádio CBN, é autor de trabalhos sobre o tema. Os participantes do seminário também puderam ver a mostra fotográfica "O que queremos para o centro de Curitiba?", de Albari Rosa.

Como parte do programa Centro Vivo, nos próximos meses universitários de Curitiba farão uma pesquisa na região central para mapear o perfil do comércio e das edificações. Os resultados servirão de base para os grupos de trabalho do seminário – arquitetos, urbanistas, engenheiros, representantes da comunidade acadêmica e da classe empresarial. "É fundamental que os comerciantes prestem todo tipo de informação", disse Jonel Chede, presidente do Conselho Gestor do Centro Vivo.

No I Seminário Habitacional, os grupos estudaram um modelo técnico de revitalização – estratégias, prazos, agentes ou personagens – e foram estabelecidos os principais itens a serem abordados na pesquisa prevista para os próximos meses. Com os resultados do levantamento, serão desenvolvidos os projetos para revitalização do centro.