O presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT), Dom Tomás Balduíno, criticou hoje, em depoimento na CPI da Terra, a ação do Poder Judiciário na questão da posse da terra no Brasil. Segundo ele, para proteger o latifúndio, a Justiça “agride os trabalhadores, os massacra, os humilha e os deixa em situações de extrema dificuldade e de miséria”.

Dom Tomás criticou especialmente a atuação da ministra do Supremo Tribunal Federal Ellen Gracie Noortfleet, que concedeu liminar em 2003, suspendendo a desapropriação da fazenda Southall, em São Gabriel (RS), declarada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva área de interesse social para a reforma agrária.

A CPT, ligada à igreja católica, é uma das entidades participantes do Fórum Nacional de Reforma Agrária, que está coordenando uma série de ações reivindicatórias pela terra.