O presidente da empresa de Correios e Telégrafos, Jânio Pohren, afirmou que a estatal adotará diversos procedimentos emergenciais para apurar e evitar que irregularidades ocorram, como auditorias permanentes e alteração de preços.

O anúncio foi feito em uma teleconferência transmitida para todas as diretorias regionais no país hoje. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, iria participar do encontro. No entanto, teve que fazer exames médicos por problemas pulmonares.

De acordo com Jânio Pohren, os Correios desenvolveram um modelo de "auto-auditoria constante". Ele conta que o projeto auxiliará futuras prestações de contas. "No modelo, os gestores vão preencher requisitos no dia a dia que servirão como subsídio para qualquer auditoria que eventualmente exista", relata.

A estatal, segundo Pohren, estuda formas de melhorar os preços de referência e a qualidade dos serviços. "Buscamos apoio de órgãos externos para ter uma avaliação de preços de mercado. Procuramos equipamentos que auxiliem na avaliação dos preços", conta.

Os funcionários dos Correios também serão beneficiados com as mudanças. Segundo o presidente, os servidores do órgão terão um acordo coletivo de trabalho "para preservar a instituição". Pohren destacou que e empresa desenvolverá ações para garantir auto-sustentabilidade.

Jânio Pohren defendeu ainda a manutenção do monopólio postal que, segundo ele, é "uma prerrogativa constitucional". Ele argumentou que a empresa vive um desafio que só será superado com a união dos funcionários. "Trabalhamos em uma instituição de 342 anos. Machuca-nos muito ver a imagem da empresa maculada pela ação de algumas pessoas que não representam a cultura institucional", concluiu.

Ao final da teleconferência, Pohren lançou o carimbo comemorativo do Dia do Selo que traz a imagem do poeta Mário Quintana sob a frase: "Sou Correios, sou Brasil".