Rio de Janeiro – Na avaliação do Banco Central (BC), a queda de 1,7% na produção industrial registrada entre maio e junho deste ano foi motivada por fatores pontuais, e não deve interferir no fechamento anual do Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todas as riquezas produzidas no país). Assim, o BC mantém expectativa de crescimento de 4% do PIB para 2006.

O presidente do BC, Henrique Meirelles, afirmou que a retração da indústria no período já era esperada.?Do nosso ponto de vista, os indicadores são consistentes com a nossa previsão de crescimento de 4% do PIB para 2006. A queda da produção industrial era prevista devido a vários fatores pontuais, como a Copa do Mundo, que para o país é muito importante, pois houve paralisação de setores da economia como a indústria, o comércio e o setor público?.

Meirelles também apontou a greve dos funcionários da Receita Federal como fator que levou à queda da indústria no período. ?A greve afetou as exportações e importações em junho. Se olharmos os números da balança comercial, veremos que o resultado de julho mostra uma recuperação muito grande sobre junho, neste caso, também um efeito do final da greve?.

Segundo Meirelles, há diversos indicadores que mostram a recuperação da industria em julho, como o crescimento da venda de veículos e a carga de energia elétrica despachada.?De qualquer forma, ainda faltam os resultados de três trimestres, e ainda é cedo para chegarmos a uma conclusão definitiva. Mas o sumário indica que vivemos um cenário de crescimento consistente de expansão da economia?.

As declarações foram dadas hoje (11) em entrevista coletiva no Rio, onde Meirelles participou do Seminário Anual do BC sobre metas de inflação.