O presidente do Conselho de Ética da Câmara, Ricardo Izar (PTB-SP), considerou grave a denúncia de que o presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, teria recebido R$ 10 mil por mês do dono de um restaurante que operava na Casa. "Se a denúncia se confirmasse, seria lastimável. É difícil até encontrar um adjetivo para definir isso. Seria um desastre", disse.

Izar considera que Severino tem de dar mais explicações sobre o episódio, além da nota emitida ontem em que nega o recebimento de propina. "Como presidente da Câmara, ele deve explicações para os seus pares. Acredito que o mais adequado seria fazê-lo em um discurso no plenário da Casa ainda nesta semana", afirmou Izar.

Segundo o parlamentar, para que o Conselho de Ética ouça o presidente da Câmara para esclarecimentos é preciso que algum partido político entre com representação contra Severino.