O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), vai reunir, nesta terça-feira, todos os líderes partidários da Câmara e do Senado para tentar votar nesta semana os projetos que tramitam no Congresso e tratam de reforma política e redução de custos de campanha.

Ele não descarta a possibilidade de votar, se houver acordo entre os líderes, o projeto de lei do deputado Ney Lopes (PFL-RN) que prorroga de 30 de setembro para 31 de dezembro o prazo para mudanças na legislação eleitoral.

"Mudar a Constituição é mais difícil. É mais fácil, numa votação de emergência, concluir o que diz respeito à redução de custo de campanha eleitoral e dá mais ética e mais transparência às campanhas eleitorais", afirmou Calheiros. Projeto de lei neste sentido foi aprovado pelo Senado em agosto e está pronto para ser votado pela Câmara dos Deputados.

Quanto ao projeto do deputado Ney Lopes, Renan afirma que não o considera prioritário. O presidente do Senado avalia que prorrogar o prazo para mudanças na legislação eleitoral desanima a iniciativa dos parlamentares de reduzirem os gastos com campanhas políticas.

"O ideal seria que pudéssemos envolver todo mundo, sobretudo candidatos. Este seria o mais forte compromisso que poderiam assumir", disse o presidente do Senado.