O presidente Lula assinou nesta sexta-feira, em Torres (RS), a ordem de serviço que possibilitará o início das obras de duplicação da BR-101 Sul, que irá beneficiar inicialmente os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Lula deixou o discurso formal de lado e iniciou sua fala lembrando que, na posse, havia afirmado que primeiro faria o que era necessário, depois o possível e, por último, o impossível. Porém, segundo Lula, começou o seu governo fazendo o impossível.

"Nós começamos fazendo o impossível, porque era impensável num país do tamanho do Brasil, com os problemas do Brasil, em dez meses nós fazermos a reforma da Previdência Social e a reforma tributária que ainda falta um pouco, e depois ainda de sobra nós aprovamos a Lei de Falências, aprovamos no Congresso Nacional o Estatuto do Idoso, que estava há 12 esperando. No mês passado, aprovamos a reforma do poder judiciário que estava parada também há quase 14 anos", disse Lula.

O presidente comparou mais uma vez a "arte" de governar o país com a arte de governar sua própria família, acrescentando que só tem o respeito dos filhos porque os respeita e só terá o respeito do povo brasileiro se os respeitar também.

"Um pai que tem a coragem de dizer para o filho na véspera do Natal que não pode dar o presente que ele quer porque não tem condições de dar, esse mesmo pai, sendo governador, prefeito ou presidente da República, tem que ter a coragem de dizer para o povo que eu não vou fazer tal coisa porque não tem condições de fazer", disse o presidente.